Chato de galochas

Eu sempre quis escrever uma música
Mas nunca consegui por não rimar
E sem contar que tudo vira poesia
Por um refrão nunca formar

Eu nunca vivo uma constante
Em que uma estrofe possa findar
Badalar um trecho pra todo sempre
Em que o sentido não vai acabar

É que eu sou um puta de um chato
De galochas, calças e colar
Que ri demais quando sem graça
Porque a graça tá em não achar

Sim, eu sou um puta de um chato
De galochas, calças e colar
Que ri demais quando sem graça
Porque a graça tá em não achar

Nada disso faz sentido
Pra mim que sequer sei vetorizar
A única coisa exata nessa minha vida
É que as ciências humanas é o meu lugar

E talvez eu faça disso mais uma poesia
Porque tudo que eu começo, não sei terminar
E as estrofes estão de novo todas diferentes
E não existe um ritmo para eu cantar

É que eu sou um puta de um chato
De galochas, calças e colar
Que ri demais quando sem graça
Porque a graça tá em não achar

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s