Desesperança

Quando um não quer, dois não brigam
Nem nunca brincam, não vão se achar
Um não sabe o paradeiro do outro
Se chegou bem ou se está para chegar

Não disputam quem paga a conta
Não existem encontros e nem jantar
Não levanta o braço da cadeira do cinema
Não há ninguém ao lado que se possa abraçar

Não sabem quem são e muito menos quem poderiam ser
Não acenam tchau de longe e não sorriem ao se ver
Não sentem o outro perto e nem distante quando deveriam sentir
Não ligam no dia seguinte porque a noite nunca estiveram aqui

Quando um não quer, só o outro sabe tudo o que perderam.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s